Pular para o conteúdo principal

A lua e o lobo -- Conto



_Algumas coisas não são mais como eram antes. A cidade mudou demais. Eu mudei demais.

Sandro estava descalço e sentado sobre um troco de árvore cortado poucos dias antes, a seu lado uma garrafa contendo uma estranha bebida indígena. Havia três anos que saíra do exército brasileiro, e neste período sua vida mudou completamente, principalmente em noites como aquela.

Seus instintos não mais o enganavam, tinha certeza de que poderia encontrar um pouco de ação por aquelas bandas; a verdade é que aquela rua estava totalmente deserta e poucas pessoas passavam por ali depois que anoitecia. Ele mesmo anos atrás não ousaria ficar sentado naquele lugar com pouquíssima luz, o céu noturno estava estrelado, porém com algumas nuvens que encobriam o grande e belo luar.

Pouco tempo depois ele sentiu o cheiro sendo trazido pelo vento; na verdade era um misto de cheiros diferentes, mas que ele conhecia muito bem. O medo feminino em contraste com a adrenalina dos caçadores. Vampiros
Ele não sabia como agir; muitas dúvidas surgiam na mente. E se a coisa saísse do controle? E se não possuísse forças para domar a fera? Sandro olhou para o céu mais uma vez e percebeu que o vento devia estar em alta velocidade lá em cima, pois as nuvens corriam apressadas; breve o luar tocaria o solo.

Passos rápidos apareceram dobrando a esquina, três vozes foram percebidas de imediato pelos aguçados ouvidos de Sandro; dois homens, uma mulher. Ela exalava medo, em contrapartida eles exalavam entusiasmo e excitação.
A mulher tentava não acompanhá-los, mas sua força de vontade já tinha sido vencida pelos truques sobrenaturais dos outros dois. Em meio à escuridão da rua os olhos dos dois homens que acompanhavam a mulher brilhavam como brasas e a jovem por mais relutante que estivesse já imaginava o que a estava esperando.

Sandro se levantou e tomou um bom gole da bebida feita de ervas, era uma espécie de chá concentrado; muito amargo, porém possuía uma propriedade incrível; desligava a dor. Calmamente ele caminhou para o centro da rua de forma que as outras pessoas o pudessem ver mesmo na escuridão; e foi o que aconteceu, um dos homens segurava firme a sua presa enquanto o outro visualizava com seus olhos incandescentes aquele que permanecia parado no meio na rua. Sandro por sua vez retirou a camiseta que estava vestindo e deu a derradeira golada em seu líquido amargo, lançando a garrafa para o canto.

_Sai dessa rua._disse o que segurava a mulher; ela parecia estar em transe. E concluiu._ Não há nada para você aqui.

O outro também falou:

_Seu eu fosse você ouviria meu amigo; ou poderá se arrepender.

Sandro impôs um pouco de ousadia dentro de si mesmo, pois já sabia que aqueles homens não eram pessoas comuns; eram seres que procuram a todo instante criar armadilhas afim de prenderem pessoas ingênuas como aquela jovem.

O cheiro mudou no ar, agora havia ira crescente por parte deles e a mulher estava voltando a si.

_Vá embora! Já disse! Bradou um deles.

De repente a moça começou a perguntar o que estava ocorrendo; estava recobrando a força de vontade que lhe tinha sido roubada pelo truque mental dos noturnos.

Sandro finalmente falou:

_ Posso ir embora nesse exato momento, contanto que vocês me deixem levar esta jovem e não a procurem mais.

Os dois riram alto com a frase do rapaz sem camisa; eles não estavam percebendo, mas Sandro estava alguns centímetros mais alto e brevemente estaria mais forte também.

_ Você é louco? Não vamos deixá-la ir e agora não deixaremos mais você ir também; teve sua chance de fugir, mas escolheu atravessar o nosso caminho.

Ambos deixaram seus grandes caninos a mostra e ficou claro do que se tratava. Finalmente a luz da lua cheia se descortinou por detrás das nuvens e banhou toda a cidade; seu toque aveludado sobre o corpo de Sandro disparou o gatilho e liberou a fera presa no subconsciente ou em alguma área dentro de sua alma. Tanto a mulher quanto os dois noturnos espantaram-se com o que acabaram de ver; aquele jovem relativamente franzino tornou-se em questão de segundos uma besta com mais que o dobro de seu tamanho original e de uma brutalidade fora do comum; mesmo aqueles dois acostumados a causar medo em tantas pessoas tremeram por dentro, porque já tinham sido avisado pelos mais antigos do perigo que havia naquela cidade, seres que descendiam dos lobos e dos lincantropos; existia uma guerra sendo travada  entre lobos, homens e outras forças. Eles não deram ouvidos e naquela noite provariam o que era um combate contra uma legítima prole de Cérbero.

O uivo poderoso ecoou pela rua e foi imediatamente respondido por cães que ouviram nos arredores, todos começaram a latir de forma furiosa, alguns por medo outros por raiva; os cães sabiam que um predador estava por perto. A criatura na qual Sandro se tornou era algo terrivelmente abominável, a moça que estava em posse dos dois homens, caçadores noturnos, desmaiou logo que sua mente tentou discernir o que aquela visão insólita significava.

Uma espécie de lobo com quase dois metros de altura, pêlos cinzentos, olhos de um amarelo quase dourado e penetrantes, com garras e presas pontiagudas e que se apoiava sobre as duas patas traseiras como se fosse um bípede. A fera respirava de forma ofegante e emitia pequenos ruídos como se estivesse sentindo dores; a criatura parou por um instante respirou novamente e soltou mais um poderoso uivo, que foi comentado por moradores das proximidades durante dias. Era a lua cheia; quando Sandro tornava-se em lobo nas noites de luar completo ficava muito mais difícil controlar a natureza do monstro, que na verdade era a sua própria natureza vindo a tona.

_Lobisomem! _ Gritou um dos homens.

_ Deixe essa mulher aí, ela não vale isso. _ rebateu o outro.

Mas a verdade é que já não havia mais tempo para eles, e o único caminho para a fuga passava por uma batalha contra aquela criatura meio lobo meio humano.

Ainda desnorteado Sandro lutava para domar a si mesmo, pois uma fúria cega e violenta jorrava dele como a força incontrolável de vários lobos. Ele sabia que se não conseguisse tomar o controle de sua própria mente, até mesmo aquela mulher correria grande perigo; por outro lado nunca poderia salvá-la se não lançasse mão de sua outra face, não seria páreo frente aos truques mentais e sobrenaturais que os noturnos possuem e não teria força física suficiente para vencer a invulnerabilidade de seus oponentes.

Tudo aquilo aconteceu muito rápido, em questão de segundos a mente de Sandro estava na mais difícil batalha contra sua fera interior. Ele já havia vencido a fúria em outras ocasiões, mas nunca em uma noite de lua cheia, quando sua transformação tornava-se muito mais difícil e dolorosa; se não fosse o velho chá de ervas indígenas feito por um velho índio, que como ele possuía outra face, e o estava tutelando para que Sandro tomasse o lugar de líder da matilha; certamente já teria perdido o controle. Aquela era sua prova de fogo; encontrar e defender um inocente, mesmo com a fera da lua cheia tentando forçá-lo ao contrário.

Quando o terceiro uivo se fez ouvir, os dois homens já estavam correndo para longe do lobo gigante; eles sabiam que nenhuma habilidade mental que possuíam era desenvolvida o suficiente para confrontar um meio-lobo, ambos eram neófitos e sua capacidade estava restrita apenas aos humanos.

O monstro “Sandro” lançou-se sobre as quatro patas e os alcançou rapidamente; não houve combate algum, os dois não tinham a menor chance. Sandro fora aprovado.

Postagens mais visitadas deste blog

Como planejar escrever um livro.

Muitas pessoas com quem converso falam que gostariam de escrever algum tipo de romance, seja de terror, suspense, aventura, ficção científica etc... Essas pessoas chegam até a falar todo o conceito do livro, ou seja, contam de forma reduzida as bases de sua trama, mas nunca  escrevem realmente. Durante algum tempo isso também aconteceu comigo, mas consegui resolver esse pequeno problema de uma forma bastante simples que vou passar para vocês. Eu desenvolvi uma espécie de método que funcionou muito bem para mim e que certamente vai ajudar qualquer pessoa que tenha o desejo de escrever um romance, seja do gênero que for, eu utilizei este método para escrever meus três romances: "Érebus", Cruz de Fogo" e "Noites sem Lua". Também estou usando para escrever meus próximos livros "Nyx", "Hellius" e "Caos"; e você vai usar para escrever o seu também.

Antes de iniciarmos no passo a passo para a construção do livro é preciso dizer que você…

Como criar um bom título para seu livro

A coisa que os escritores mais gostam de fazer é escrever, logo, uma das tarefas mais complicadas para eles é criar um nome para sua obra. Desenvolver um título que concentre as características e o potencial que seu livro possui será um exercício que exigirá poder de síntese, algo que muitos romancistas não possuem.
É bem verdade que muitos autores começam a escrever já com um título para seus livros na cabeça e se este for o seu caso, parabéns, pois isto lhe poupará algum trabalho. Por outro lado, muitas vezes também, o título escolhido antecipadamente não reflete o que há na trama. Só para citar como um exemplo prático; quando eu estava escrevendo meu terceiro romance, iniciei o projeto com a idea de chamar o livro de "Fantasias do mal", durante o processo de escrita percebi que aquele nome não captava a dimensão de tudo o que a trama tinha; abandonei o nome inicial e após terminar de escrever todo o livro fiz uma pequena pesquisa e cheguei à conclusão de que o nome mais …

Uma vida a menos

Yago e Luis estavam sentados embaixo de uma marquise improvisada com telhas sobre duas vigas de madeira. Ele passaram praticamente quatro horas conversando uma série de bobagens sem sentido, falavam de seus personagens favoritos dos desenhos da televisão e não notaram o passar das horas. Era uma noite daquelas que se configuram depois de uma chuva forte de verão, o mês, Janeiro. O ar estava puro e parecia limpo; o cheiro da rua de paralelepípedos molhados entrava por suas narinas como um aroma agradável e bucólico desenvolvido por algum mestre perfumista. _ Já passa das dez horas._ Disse Yago ao amigo. _Pois é, não tem ninguém na rua, só nós._ respondeu o outro. A verdade era que a rua na qual moravam tinha uma fama ancestral, muitos na redondeza costumavam dizer que coisas estranhas ocorriam de repente e sem a menor explicação aparente. Por vezes eles mesmos já haviam presenciado algum tipo de manifestação estranha, pás pelo fato de serem apenas duas crianças, tais fenômenos eram soterra…